04/06/08

"A VIRTUALIDADE"

Cada vez mais penso sobre o descompromisso
aparente da virtualidade.
Não podemos acreditar que mesmo essa
máquina poderosa anule nossas emoções
e sentimentos.
Não podemos acreditar que ao desligarmos os botões,
tudo também se desliga em nós.
É exatamente aqui que muitas vezes apoiamos,
modificamos e moldamos comportamentos
independentes da idade.
Muitos negam a importância da virtualidade como
uma enorme defesa.
Como se negar , impedisse de sentir..
E passam grande parte de seu tempo neste mundo.
E é muitas vezes aqui que criamos vínculos
que ultrapassam o toque.
Vínculos de afinidade e respeito.
Vínculos de companheirismo e solidariedade.
Vínculos de carinho.
É através da palavra que externamos nossos sentimentos.
Sendo assim , o que mais usamos na virtualidade é a palavra.
Uma palavra que traduz a velocidade da vida diária.
Que nos moderniza.
Que retrata a nossa conduta no hipotético jogo da vida.
A palavra é o registro carregado de sentimentos.
Ela é portanto, a própria vida.
Através dela , externamos, criamos, recriamos
e estabelecemos o nosso universo cultural.
A palavra constrói nossos sonhos de forma
ordenada e media os nossos mais loucos desejos .
Ela faz com que nos transformemos
em agente da expressão dos nossos anseios
E por ser rica e vasta, permite uma gama de interpretações .
Há que ser sempre acreditada a coerência
dos interlocutores,visto que esses, aconchegaram-se
na afinidade, no ponto comum ou aliança de objetivos .
Acredito que sentimentos nobres independem de um mundo real.
Eles estão dentro de nossos valores, crenças e comportamentos que manifestam-se em qualquer lugar que ocupemos.
Não há como temer a virtualidade.
Não há como temer o ser humano.
Estaremos expostos sempre onde quer que estejamos.
Que usemos portanto, a palavra para a perpetuação da esperança..
Usemos a palavra na difusão do amor.
Ele independe de um espaço geográfico.
Habita e ilumina por si só.
Só necessita da pureza de coração.
Não de um mundo real porque na maioria das vezes,
ele transcende nos nossos sonhos,
ocupando, portanto,
o imaginário.

Beth Nunes

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi Ro,

Passei para ver as novidades e deixar meu carinho.

Desejo uma linda quinta feira e muita paz.

Smack!

Edimar Suely
jesusminharocha.blig.ig.com.br